Todo mundo tem boas ideias o tempo inteiro. Você sabe qual é a diferença de um insight para um negócio rentável? O trabalho estratégico para que a marca evolua e se torne escalável — que envolve ouvir o público para inovar e encantá-lo o tempo todo. Uma estratégia de marketing eficiente é vital para qualquer empresa, não importa seu tamanho.

Baixe nosso e-book aprenda mais sobre as principais métricas de Marketing  Digital

Ao ouvir e entender o público, analisando dados de venda, não só as ações de marketing são mais acertadas, como também é mais simples trazer novidades que falem diretamente com as necessidades de quem compra. Com isso, fidelizar a clientela se torna algo possível — tanto quanto melhorar o lifetime value e outros indicativos.
 
Neste texto, mostramos o caminho que você deve percorrer para que a estratégia agregue diferenciais competitivos à sua empresa. Confira!
Qualquer uma das ações de marketing precisa ser bem pensada para que a estratégia seja eficiente e não cause confusão no público, nem faça com que os esforços sejam em vão, assim como o dinheiro investido.
 
O Facebook é a rede social mais usada no mundo, com cerca de 2,8 bilhões de usuários. Só no Brasil, por volta de 130 milhões de pessoas usam a plataforma, mas não é por isso que a rede é o melhor canal para a sua marca. Se o seu público for mais jovem, o Instagram, o TikTok e o Twitter podem ser as melhores opções. Da mesma forma, o LinkedIn e o e-mail marketing se tornam ótimas possibilidades para alcançar executivos B2B.
 
Tudo depende do conhecimento do seu público e do objetivo da estratégia. Não é porque diversas empresas apostam em uma tática determinada que essa também vai ser a mais adequada para a sua empresa. Ao longo deste texto, apresentamos mais argumentos para uma estratégia de marketing eficiente.
 

Por que é importante investir em uma estratégia de marketing?

Toda empresa que almeja se destacar no mercado, ter uma marca forte, aumentar os lucros e ainda conquistar e fidelizar os clientes precisa investir em marketing. Ele é a principal porta de entrada para encontrar pessoas que de fato estão interessados em seus produtos e serviços.
 
Uma das suas principais vantagens é o fato de ajudar na melhoria da tomada de decisões, por exemplo. O marketing tem um papel crucial no que diz respeito à coleta de dados, ajudando assim no direcionamento dos esforços da sua equipe e também de recursos financeiros. Esse é o grande diferencial de uma empresa que faz bom uso de um planejamento estratégico de marketing daquela que não faz.
 

Quais pontos devem ser considerados ao criar uma estratégia de marketing?

Antes mesmo de escolher quais canais vão ser usados, fazer diversas postagens no blog ou nas redes sociais e veicular anúncios em mídia offline, você e a sua equipe precisam considerar alguns pontos essenciais que vão dar mais clareza à estratégia. Confira quais são eles!
 

Trace objetivos claros

Fazer marketing sem objetivos definidos é a mesma coisa que andar no escuro: você só vai gastar tempo e energia. Olhe para os números do seu negócio e entenda as necessidades mais urgentes, que podem ser:
  • melhorar a taxa de conversão: o que vai exigir uma abordagem mais direta, falando de ofertas e benefícios dos produtos e soluções, bem como uma revisão do site;
  • ter mais conhecimento sobre a marca: campanhas nas redes sociais, links patrocinados e até parceria com influenciadores podem ser um caminho;
  • reposicionar o negócio no mercado: quando novas soluções entram no portfólio ou a empresa precisa alcançar um novo público.

Defina KPIs

Toda estratégia de marketing precisa de indicadores que vão mostrar se você está no caminho certo ou se é preciso rever o planejamento. Os KPIs — sigla para Key Performance Indicators —, portanto, são essenciais.
 
É preciso ter dados que mostrem um panorama completo da estratégia, e não apenas métricas de vaidade. Mais do que ter um número alto de curtidas nas postagens, é preciso olhar a taxa de conversão, o ticket médio, o custo de aquisição de clientes (CAC) etc. Bons KPIs devem ser:
  • seguros: o indicador precisa vir de uma fonte de informação confiável para que você e a equipe consigam tomar decisões bem fundamentadas e certeiras;
  • relevantes: é fundamental que os KPIs estejam conectados aos principais objetivos da estratégia. Se isso não acontecer, os índices vão apresentar resultados aleatórios e irrelevantes para a realidade do projeto;
  • mensuráveis: não adianta ter um KPI abstrato na mensuração. Esses indicadores devem apresentar números e porcentagens que indicam um norte para os objetivos da empresa.

Preze por uma comunicação clara e constante

Isso vale tanto para a equipe interna quanto para o mercado. Internamente, todos os envolvidos precisam estar a par de cada uma das ações e dos objetivos esperados. Além disso, os colaboradores devem ter acesso aos dados de cada uma das ações. Isso pode ser facilitado com o uso de um software de automação de marketing — na ferramenta, todos os dados ficam concentrados e estão disponíveis para qualquer pessoa da equipe, evitando ruídos e falhas.
 
Quanto à comunicação que envolve os seus clientes ou possíveis clientes, é preciso fazê-la com constância, acionando os diversos canais e falando uma linguagem que seja facilmente absorvida pelo público. Quanto mais clareza, mais possibilidades de a estratégia ser certeira!
Guia de Automação de Marketing

Por que uma estratégia de marketing se beneficia do Inbound?

Quando falamos em uma estratégia de marketing, é preciso considerar o marketing offline e o digital, com algumas ações de Outbound e, principalmente, uma estratégia de Inbound Marketing robusta, que trabalhe pelos seus objetivos.
 
Muitas empresas apostam quase exclusivamente no Inbound por conta das suas inúmeras vantagens. A primeira delas é que as equipes de Inbound veem mais resultados na estratégia do que os times que apostam no Outbound Marketing. Em porcentagens, 75% percebem mais acertos no Inbound e 62% no Outbound, de acordo com o estudo Estado do Inbound Brasil.
 
Outros benefícios do Inbound Marketing são:
  • propagandas invasivas têm cada vez menos chance de conquistar o público. Enquanto isso, o Inbound permite que as pessoas cheguem de forma ativa até uma empresa, consumindo conteúdo de boa qualidade e mantendo uma relação de confiança;
  • ao publicar conteúdos relevantes e criativos, é possível educar os possíveis clientes, tornando-os mais próximos e até promotores da marca;
  • reduzir custos sem perder a eficiência é uma necessidade para melhorar os diferenciais competitivos. Com o Inbound, a aquisição de clientes custa menos e o ciclo de vendas é reduzido;
  • o Inbound permite um ROI mais alto, conversões mais efetivas e aumento do LTV.
No Brasil, pouco mais de 58% das empresas apostam em estratégias de Inbound (de acordo com o estudo citado anteriormente). Esse é um número baixo se considerarmos que 93% dessas organizações pretendem aumentar os investimentos por conta dos bons resultados das campanhas.
 
O Inbound é uma estratégia de baixo risco e alto retorno, mas, para que isso aconteça, é preciso acertar a estratégia e esperar um pouco, pois os resultados vêm, sobretudo, no médio e no longo prazo.
Listamos um mix de estratégias de Marketing Digital, sobretudo de Inbound e de marketing offline. Sua empresa não precisa (nem deve!) seguir absolutamente todas elas. Lembre-se do que foi falado no começo: atente para os objetivos, pois eles vão guiar cada uma das ações.
 
Na sequência, explicamos pontos importantes sobre cada uma dessas estratégias. Acompanhe!
 

1. Construa personas sólidas

Uma coisa é muito certa no marketing: quando você deseja falar para todo mundo, acaba não falando para ninguém. Isso acontece porque o mercado está cada vez mais segmentado. Assim, conteúdos quase exclusivos, que falem diretamente e na linguagem do público, fazem muito mais efeito do que peças genéricas que tentam agradar a todos.
 
A melhor maneira de construir buyer personas é olhar para os dados do negócio, entender quem são os principais consumidores e como eles chegam até a empresa — mas é possível ir além.
 
Conversar com alguns consumidores traz insights preciosos. É o que aponta Adele Revella, CEO e fundadora do Buyer Persona Institute, em seu livro, que também leva o título de Buyer Persona: “você constrói personas eficazes ao entrevistar compradores que já avaliaram suas opções, consideraram ou rejeitaram as soluções”. Una os dados a esse know-how e você estará pronto para direcionar as estratégias ao público correto.
 

2. Trabalhe as redes sociais

Jamais ignore o poder das redes sociais para divulgar o seu negócio. Muitas companhias apostam nelas para se fortalecer ainda mais, como o Magazine Luiza e a Lu, personagem que responde a todos nas redes, e a Netflix, que sabe fazer o engajamento aumentar como poucas outras marcas.
 
Não basta copiar estratégias que deram certo. Primeiramente, entenda em qual ou quais redes se concentra o seu público — use as entrevistas de criação de personas com esse propósito também. Na sequência, considere a melhor forma de se conectar a ele — pode ser mostrando o produto e suas funcionalidades ou falando um pouco mais dos bastidores da empresa.
 
Um case de sucesso mais antigo, de 2015, foi a IBM, que usou a hashtag #ILookLikeAnEngineer para mostrar a diversidade dos seus profissionais.
Os vídeos também podem fazer a sua campanha subir de nível. De acordo com o Global Digital Report o YouTube tem mais de 2,5 bilhões de usuários, ficando atrás apenas do Facebook. O número mostra uma aderência cada vez maior das pessoas aos vídeos e a interatividade. Além de textos, boas imagens e infográficos, aposte em vídeos curtos e com mensagens certeiras nas redes sociais, bem como no seu blog.
 
É preciso escolher as redes de forma estratégica para monitorar todos os canais em que a sua marca esteja presente e não demorar a responder às mensagens. Lembre-se: menos é mais quando uma equipe é pequena e não consegue acompanhar todas as interações. Caso contrário, você só vai desperdiçar oportunidades.
 

3. Aposte no e-mail marketing

Não, ele não morreu. Não, ele não é antiquado. Cerca de 4 bilhões de pessoas no mundo têm, pelo menos, uma conta de e-mail. Além disso, as campanhas de e-mail marketing têm um ROI médio de 4400%, segundo dados da Campaign Monitor.
 
O fato de ter muito alcance com pouco investimento faz do e-mail marketing uma necessidade em qualquer estratégia. Pensando no Inbound, ele é a ferramenta ideal para nutrir e engajar os leads, além de promover os conteúdos postados no blog.
 
O e-mail também é uma maneira rápida de avisar seus leads e clientes sobre novas promoções e novos produtos. É necessário, no entanto, ter cuidado ao mandar um e-mail por dia ou mensagens dia sim, dia não. O ideal é enviar cerca de um ou dois e-mails por semana para evitar que os contatos cancelem a inscrição na newsletter ou nem abram mais o que foi enviado.
 

4. Crie ou atualize seu blog o quanto antes

Você sabe que a forma de comprar mudou e que as pesquisas online acontecem tanto para comparar marcas quanto preços. No Brasil, 97% das pessoas que usam a internet buscam informações online antes de fechar qualquer negócio, de acordo com a CNDL/SPC. Por isso, ter um blog atualizado é uma necessidade para quem quer ser encontrado.
 
Quando você tem um blog com postagens regulares (no mínimo uma vez na semana), aumenta muito as chances de ser visto. Sendo assim, aposte em conteúdos — tanto de texto quanto em formato de vídeos — que foquem nas fases do funil de vendas (atração, consideração e conversão).
 
Supondo que você venda café, antes de falar sobre as vantagens da sua marca, apresente receitas com café, explique os benefícios da bebida, fale sobre os tipos de grão e, só então, discorra sobre a sua marca.
 
Um blog é uma ótima forma de poupar recursos em campanhas. Ao ter conteúdos duradouros (evergreen) sempre atualizados e relevantes, você passa a conquistar as primeiras posições do Google, ganha mais tráfego e, na sequência, conversões.
 

5. Trabalhe a favor do SEO

As primeiras posições de um buscador são o sonho de todo profissional de Marketing Digital, mas, para se transformar em realidade, é preciso trabalhar a favor do Search Engine Optimization (SEO).
 
O primeiro passo é descobrir quais palavras-chave são mais relevantes para o seu público e desenvolver conteúdos a partir delas. Qualquer publicação deve ser original e com escrita fluida, que favoreça também as buscas por voz. Usar intertítulos em forma de perguntas é uma boa opção.
 
Além disso tudo, a publicação deve conter fotos e ser escaneável, permitindo uma leitura dinâmica. Outro cuidado que conta muito para o Google é ter um blog mobile friendly, visto que, segundo a Global Web Index, 87% dos usuários acessam a internet com seus smartphones. Primeiramente, pense o site para mobile, depois, para o desktop.
 

6. Conte com links patrocinados

A estratégia de links patrocinados é eficiente quando você tem pressa para escalar as vendas ou está começando com a estratégia digital. Uma vez que os links patrocinados aparecem em destaque nas buscas e você pode pagar por clique (CPC), ação (CPA) ou por mil impressões (CPM), é possível prever gastos.
 
Essa estratégia deve ser pensada a partir de uma segmentação. Dessa forma, você atinge exatamente quem deseja e consegue mensurar os resultados para ver o sucesso da ação.
 

7. Aposte no retargeting

As taxas de conversão geralmente não contam com números altos — um bom índice fica entre 3% e 4%. Isso significa que 96% ou 97% das pessoas saem sem comprar nada. Por isso, o retargeting se torna uma estratégia eficiente.
É possível apostar em anúncios dinâmicos e personalizados com foco nos produtos que seus consumidores mais gostam. É válido usar o omnichannel com dados combinados para que você possa alcançar o cliente em diferentes dispositivos e ambientes enquanto ele compra na sua loja e passa por outros sites.
 

8. Não se esqueça daqueles que já são clientes

Criar um programa de fidelidade é uma forma de vender para quem já é consumidor, melhorando o ticket médio e o LTV. É possível fazer uma segmentação de contatos e enviar e-mails de nutrição com descontos e novidades que são relevantes para o público.
 
Não basta somente vender: é fundamental trabalhar a relação com os clientes. Como exemplo, podemos citar um pós-venda que busque entender o quanto a solução foi importante para o dia a dia da pessoa, se o cliente conseguiu desfrutar tranquilamente da solução oferecida pela sua empresa, se existem dúvidas etc. Essa preocupação genuína é fundamental para que o consumidor sinta segurança em voltar a comprar da sua marca.
 

9. Atinja seu público fora de casa também (OOH)

Já ouviu falar na mídia out-of-home (OOH)? Ela é interessante para impactar os possíveis clientes fora de suas casas. Outdoors a caminho do trabalho, pôsteres pela cidade, backbus ou busdoor (aqueles anúncios na parte traseira ou em alguma porta do ônibus) são bons exemplos disso.
 
Esse tipo de mídia tem alcance amplo e ajuda a fazer uma divulgação em massa. Se o seu negócio tem como objetivo impactar um grande número de pessoas, a OOH costuma gerar bons resultados. Melhor ainda é aliar pitadas de digital à estratégia: você pode usar QR Codes para mensurar o impacto desses anúncios ou oferecer códigos promocionais para que a conversão seja certeira.
 

10. Faça eventos

Pensando que as marcas não querem apenas vender, mas construir um relacionamento próximo aos consumidores, os eventos são uma boa ponte para isso. Eles podem ter como foco o lançamento de uma solução — gerando expectativa — ao fortalecer a imagem institucional da empresa e mostrar autoridade — por exemplo, quando são oferecidos workshops ou cursos de determinado assunto.
 
Essas são oportunidades que devem ser usadas para encantar os clientes, mostrando como a empresa está próxima. Vale influenciá-los na decisão e fortalecer o relacionamento com essas pessoas, conversando de maneira mais próxima com os participantes. Qualquer evento deve ser planejado com bastante antecedência (com Save The Date e envio de convites). Oferecer brindes ou demonstrações grátis do serviço também ajuda a impactar positivamente o público.
 
Na pandemia, uma tendência que surgiu foi a realização de eventos virtuais. Foi verificado um crescimento de 300% em relação a períodos anteriores, sendo que o YouTube liderou a preferência dos organizadores para a realização destes eventos. Mesmo no pós-pandemia, os organizadores ainda veem a alternativa em pleno desenvolvimento. O fato de permitir a participação de pessoas e até palestrantes de diferentes locais enriquece não só o conteúdo, mas também as trocas.
 

11. Tenha parcerias estratégicas

Segmentos complementares podem se tornar parceiros estratégicos com o objetivo de oferecer vantagens aos clientes e se tornar ainda mais competitivos. Serviços de hospedagem, por exemplo, podem se unir a empresas de Marketing Digital para oferecer cursos ou descontos mais interessantes.
 
As parcerias também podem facilitar a realização de eventos ou de grandes campanhas de marketing. O principal cuidado é escolher parceiros ideais, que tenham boa reputação e que não vão gerar problemas para a imagem que a sua empresa está construindo.
 

12. Entenda a necessidade de contar com rádios, jornais e televisão

Os anúncios em rádio, jornais e na televisão são mais invasivos, custam mais caro e nem sempre têm o retorno desejado, mas, dependendo de quem é o seu público, esse formato pode ser interessante.
 
Por mais que o Marketing Digital seja uma estratégia mais abrangente e com custos reduzidos, rádio e jornais atingem um nicho específico que pode ser relevante para determinadas empresas. A televisão é uma maneira de fazer propaganda em massa, mas o retorno não é tão simples de medir.
 

13. Monte um cronograma certeiro

Cada ação deve ser pensada em uma data específica. Dependendo do ramo, datas comemorativas devem ser muito trabalhadas, como Dia das Mães, Natal, Black Friday e Dia dos Pais. É importante começar a trabalhar com um bom prazo, pensando em estoques e na indexação de páginas.
 
As postagens de blog devem começar a ser feitas com, pelo menos, um mês de antecedência. Se você publicar na semana do evento, o alcance acaba sendo pouco significativo. É fundamental fazer uma comunicação integrada. Se algum evento for realizado, faça com que as redes sociais e o e-mail marketing trabalhem a favor do sucesso dessa ação.
 

14. Trabalhe com uma ferramenta de automação de marketing

O Marketing Digital ganha em otimização de tempo e inteligência quando se usa uma ferramenta de automação. As tarefas repetidas são automatizadas e há diversos relatórios e insights que permitem repensar a estratégia, tornando-a mais acertada de acordo com as necessidades.
 
Outro ponto fundamental está relacionado à centralização de dados. Uma vez que toda a equipe tem acesso, é possível evitar erros como envios duplicados ou entrega de materiais para leads que não estão maduros o suficiente.
 

15. Mensure as ações em diversos momentos

Você viu que a definição de KPIs é primordial para a estratégia de marketing, mas não basta olhar para os dados no fim de cada campanha. Use os relatórios da automação periodicamente para entender os acertos e os erros de cada uma das etapas. Com isso, é possível aprimorar as ações a cada novo insight para que os objetivos sejam alcançados.
 
Quando você entende quais leads vieram de uma campanha de e-mail marketing ou quais postagens no blog geraram mais tráfego, tem conhecimentos estratégicos sobre a sua persona que devem ser usados para melhorar a conversão. A partir disso, é possível fazer projeções mais certeiras e construir metas com base em dados.
 

Quais são os principais tipos de estratégia de marketing?

Agora que você já sabe qual o caminho para criar uma estratégia efetiva, é hora de entender como aproveitar melhor cada uma das opções na gestão de marketing. Confira mais a seguir!

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo é uma estratégia, como o próprio nome diz, focada na criação de conteúdos relevantes. Textos, vídeos, ebooks, redes sociais... são muitas as opções de formato para criar um bom storytelling, mas os objetivos se convergem em apenas um: o de não fazer a promoção direta da marca, mas atrair um público-alvo por meio da solução de seus problemas.
Essa estratégia traz muitos benefícios para as empresas que a adotam. Além de ter um custo menor, se comparado com outras opções, ela também é capaz de gerar brand awareness, aumentar o engajamento com a marca, educar o mercado e gerar vendas.
 

Marketing de produto

A ideia macro do marketing de produto está em conectar pessoas e produtos, sendo uma das principais vertentes do marketing. Sua importância está pautada em garantir que o produto esteja adequadamente posicionado de acordo com as demandas do mercado, além de ser manter relevante conforme há uma evolução dele, sempre considerando o que o público-alvo precisa.
Para garantir a eficácia desse tipo de estratégia, alguns passos são de extrema importância, como: definir bem o seu público-alvo, destacar os diferenciais do produto e encontrar a melhor estratégia para a divulgação.
 

Marketing de guerrilha

O marketing de guerrilha é outra estratégia inovadora para as marcas. A expressão foi inspirada na Guerra do Vietnã. Segundo conta a história, os vietnamitas usavam técnicas criativas e metodologias incomuns a fim de superar seus inimigos. Hoje, já é possível utilizar a estratégia inclusive em eventos online.
 
É uma estratégia feita para ser tão chamativa que é impossível passar despercebida, criando uma impressão duradoura na mente dos clientes. A principal dica aqui é usar a originalidade ao seu favor e ter cuidado com as emoções evocadas pela campanha, para se tornar de fato algo positivo para a sua marca.
 

Inbound Marketing

O Inbound Marketing é uma das estratégias mais modernas. O seu objetivo é atração, conversão e encantamento dos clientes. Ele se distancia do conceito tradicional de publicidade e permite a conexão com o público-alvo por meio do marketing de conteúdo, de técnicas de SEO e estratégias nas redes sociais.
Também conhecido como "novo marketing", a metodologia se baseia em um constante diálogo entre a marca e as pessoas, usando para isso o conteúdo como principal fonte para atrair a atenção do público. Para isso, ele recorre a diferentes tipos de ferramentas, como testes a/b até o marketing stack, mas também pode ser associado a outras estratégias, como o marketing conversacional.
 

A estratégia de marketing deve ser só online ou offline também?

Apesar de as ações offline custarem mais caro e serem mais complexas de medir os resultados, é importante marcar presença onde o seu público estiver. Dessa forma, ações pontuais offline conseguem ser mais relevantes para a sua audiência.
 
O omnichannel (ou ominicanal) vem da necessidade de integrar as campanhas e transmitir ao público uma experiência única — ao conhecer melhor o produto em uma loja física e comprar pela internet, por exemplo. Da mesma maneira que as pessoas são múltiplas e não ficam apenas online ou offline, as marcas devem acompanhar esse movimento e oferecer diversas possibilidades.
 
Para ter uma estratégia de marketing efetiva, entenda de fato quem é seu público e marque presença onde ele está, prezando pela boa qualidade das ações. Mais do que estar em todos os lugares, é preciso agir com inteligência, transmitindo mensagens eficientes e construindo um relacionamento de respeito. Acima de querer vender um produto ou uma solução, a preocupação é sempre com os clientes!
 
Ao chegar até aqui, certamente você tem várias ideias para colocar a sua estratégia de marketing em prática, certo? Aproveite para assinar a nossa newsletter e receber conteúdos como este diretamente no seu e-mail!
Métricas de marketing: saiba quais as mais importantes e como aplicar
 Baixe nosso e-book e entenda como calcular as principais métricas de marketing

Originalmente publicado 07/03/2022 06:45:00, atualizado Maio 04 2022

Temas:

Estratégia de Marketing