Das inúmeras desigualdades que vivenciamos no Brasil, as que envolvem a população negra fazem parte das que mais chama a atenção. Afinal de contas, nossa população é majoritariamente negra, mas as oportunidades do mundo do empreendedorismo para pretos e pardos estão longe de ter qualquer tipo de equidade.

Por isso, apoiar movimentos de Black Business faz todo o sentido — e não importa se sua empresa tem pessoas negras em cargos de liderança ou não.

<< Veja nosso Kit de Inside Sales com recursos para vender online >>

Quando pensamos no Brasil, sabemos que temos uma dívida histórica com as pessoas pretas. Talvez nunca possamos pagar essa dívida, mas devemos fazer escolhas mais conscientes e dar mais poder a essa grande fatia da população.

A HubSpot acredita que, para fazer a economia crescer, é fundamental investir em Black Business — mais empregos passam a existir, os salários crescem, assim como o faturamento.

Mas, afinal, o que é Black Business? E quais são os principais expoentes dessa tendência no Brasil? É sobre esse assunto que tratamos na sequência. Veja e faça a sua parte!

É um movimento interessante porque as pessoas ganham visibilidade — elas se veem nesses negócios e compram deles, estimulando mais vendas e uma maior circulação financeira.

Porém, o Black Business envolve ir além: não é preciso ser preto para comprar de um negócio de alguém preto. Qualquer um pode fazer essa escolha e estimular a economia, trazendo mais equidade a essa população que não tem as mesmas oportunidades que os brancos. Afinal, por quantos anos os negros só tinham opção de comprar de pessoas brancas, não é?

Qual é a importância do Black Business?

A desigualdade entre pretos e brancos é gritante, e trazemos números que comprovam isso. A pesquisa Racismo no Brasil, do Instituto Locomotiva, mostra que, mesmo com 55% da população (cerca de 112 milhões de pessoas) se declarando preta ou parda, os afroempreendedores faturam apenas 36% do total gerado pelas empresas.

A situação fica ainda mais crítica quando pensamos em cargos de alta hierarquia. Pessoas negras ocupam somente 31% dos cargos de diretoria e gerência de empresas enquanto os não negros são 69%.

Outro ponto é a desigualdade salarial: quando falamos em homens com Ensino Superior, negros ganham em média R$ 4.990 por mês; os não negros recebem 46% a mais, chegando a R$ 7.286. Com mulheres a situação é ainda mais crítica, as pretas ganham em média mensalmente R$ 3.067; e as não negras R$ 4.566, ou seja, um salário 49% maior.

É por isso que o apoio ao Black Business é uma forma de essas diferenças diminuírem. Não vai ser do dia para a noite, afinal, temos mais de um século de racismo estrutural no país, mas toda ação é válida e necessária.

Como incentivar esse movimento?

Existem inúmeras formas de incentivar o Black Business — da simples preferência de compra de negócios conduzidos por pessoas pretas ao investimento em empreendimentos de afrodescendente. A seguir, trazemos mais detalhes.

Aqueça o comércio de negócios pretos

Há pouco mais de duas décadas, mal existiam opções de cosméticos para cabelo e pele pretos, sendo que, no Brasil, a maior parte dos cabelos são crespos e cacheados. Então, se você tem esse tipo de cabelo, compre de marcas negras. A Makeda Cosméticos e a Soul Brio são dois exemplos.

Faça parcerias

Às vezes, sua marca já tem uma relevância na cidade ou no segmento que pode ajudar empresas pretas. Nesse sentido, fazer parcerias e comarketing é uma forma de alavancar os negócios; tanto o seu quanto os dos empresários afrodescendentes. Isso é uma forma interessante de trazer mais clientes e mostrar a quem já compra de você que sua marca tem responsabilidade social. 

Mas aqui precisamos chamar a atenção para um ponto: importe-se com a causa negra verdadeiramente, não use apenas para um marketing de aparência, porque mais cedo ou mais tarde as pessoas percebem que você não está agindo de forma genuína.

É mais ou menos como usar a #BlackLiveMatters (#VidasPretasImportam), mas não fazer uma única ação que traga benefícios para os afrodescendentes.

Contrate pessoas pretas

O Magazine Luiza está em seu segundo programa de trainee para contratar pessoas negras e movimentou o mercado do varejo com uma consciência genuína. Sua empresa, não importa o tamanho, pode e deve trazer negros para o quadro de funcionários.

Mesmo que você não tenha um Black Business, está promovendo oportunidades e apoiando a diversidade, que é um dos elementos mais essenciais para que os negócios tenham longevidade.

Invista em Black Business no Brasil

Essa é para investidores. Existe uma porção de empreendimentos de pessoas pretas que precisa de algum tipo de financiamento. Invista também nesses ou estabeleça algum tipo de porcentagem para financiar sempre negócios de afrodescendentes.

Nesse sentido, vale acompanhar a Vale do Dendê, uma organização baiana destinada a fomentar ecossistemas de inovação e criatividade com foco em diversidade.

Quais negócios de empreendedores negros é bom conhecer?

Antes de mais nada, existem milhares de Black Businesses por aí. Neste artigo mesmo, já citamos alguns e vamos trazer outros para você conhecer.

Movimento Black Money

O Movimento Black Money é uma plataforma de marketplace que estabelece conexão entre empreendedores e consumidores negros, o que ajuda a fomentar o Black Business no Brasil.

Hutu Casting

Já reparou como existem ainda poucas pessoas negras em propagandas? O Hutu Casting é uma agência exclusiva para pessoas negras. Inclusive, fica a dica para trazer mais diversidade em seus materiais de comunicação, combinado?

Kurandé Cosméticos

A Kurandé Cosméticos aposta em produtos naturais. A marca nasceu no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

Como você viu, existem formas variadas de apoio ao Black Business. Não importa qual seja a sua empresa, é possível fazer alguma ação para reparar esse racismo estrutural que vivemos no Brasil, não acha? E o momento é agora.

Leia também sobre comportamento do consumidor e o que levar em conta para gerar boas experiências.

New call-to-action

 Kit de Inside Sales

Originalmente publicado 19/11/2021 07:00:00, atualizado Novembro 19 2021

Temas:

Comportamento do Consumidor