Brigar na empresa, aceitar trabalho além do que dá conta de fazer e ter crises de ansiedade a cada novo projeto: sabia que tudo isso tem a ver com a inteligência emocional?

E o mais preocupante é que essa habilidade consegue influenciar nossa carreira, podendo nos levar a perder oportunidades ou a conquistar as melhores. Mas o lado bom é que podemos trabalhá-la em nós e, então, usufruir de mais bem-estar na profissão.

Prepare-se para uma entrevista com este kit gratuito 

A seguir, explicamos as vantagens da inteligência emocional e como fazer para otimizá-la. Vamos lá?

Na prática, é uma habilidade comportamental que nos ajuda a ter mais consciência de nossas emoções, saber como lidar com elas, compreender reações alheias, nos relacionar bem com as pessoas e conseguir uma motivação interna, mesmo que estejamos passando por momentos desconfortáveis.

Por que a inteligência emocional é tão importante na carreira?

Segundo pesquisa realizada pela PageGroup, a soft skill mais procurada por empregadores é a inteligência emocional. Algumas das vantagens que ela nos proporciona são as seguintes!

Melhora relacionamentos

Relacionar-se com pessoas nem sempre é fácil. No entanto, ter inteligência emocional desenvolvida ajuda a descomplicar as situações. As habilidades sociais e a empatia são pilares importantes, que se referem a saber se comunicar e a ouvir o outro, sem deixar que desavenças atrapalhem uma relação. 

No trabalho, precisamos nos relacionar com os colegas, com nossos superiores e com os clientes. Diariamente, encaramos nossas dificuldades da vida pessoal e lidamos com pessoas que também as enfrentam. Imagine o grande conflito se ninguém conseguir ter equilíbrio?

Aumenta a motivação e o foco

Sabe a vantagem de conseguir ter motivação própria, sem depender das circunstâncias alheias? Quando assumimos o controle do nosso foco e do nosso comportamento, não ficamos à mercê de situações que não dependem de nós. Com isso, nosso ânimo e nossa disciplina para fazer as coisas não flutuam com tanta facilidade; temos mais estabilidade.

Melhora a adaptabilidade

A autorregulação e a automotivação nos ajudam a lidar com momentos difíceis, já que temos mais resiliência para superá-los. A capacidade de adaptação exige um pouco de flexibilidade cognitiva e emocional para enfrentarmos as incertezas e as instabilidades típicas da vida.

A adaptabilidade também representa a capacidade de conseguir variar os próprios pensamentos, os comportamentos e as emoções, ajudando-nos a sobreviver em ambientes ou em momentos desagradáveis.

Em nosso trabalho, isso pode se refletir na necessidade de aceitar mudanças repentinas em um projeto ou na equipe, por exemplo.

Contribui para conquistas

Você costuma procrastinar as tarefas e, depois, sofre com a ansiedade e o sufoco em fazer de tudo para conseguir entregar a tempo? Pois saiba que esse comportamento tem muito a ver com a inteligência emocional.

Deixar tudo para depois é um sinal de que estamos invalidando nossos compromissos e priorizando situações que não nos trazem tantos resultados. Damos preferência a um prazer momentâneo — como o de perder tempo em redes sociais — no lugar de uma tarefa que, apesar de não ser tão divertida, é necessária.

A autorregulação nos permite escolher aquele comportamento que nos trará as melhores recompensas, mesmo que seja algo sofrido no início. Isso, claro, nos dá mais oportunidades de crescer na profissão.

Potencializa a visão das necessidades alheias

A empatia nos leva a sair um pouco do nosso mundinho e compreender que a outra pessoa pode ter uma visão e um sentimento totalmente diferentes do nosso a respeito de algo, e está tudo bem.

Entender as necessidades alheias nos coloca em posição de conseguir equilibrar os direitos e os desejos de todos os membros da nossa equipe. Também, facilita sabermos prestar um bom atendimento, mesmo que diante de clientes difíceis.

Constrói um ambiente para a inovação

A inteligência emocional também nos ajuda a entender o momento de inovar. Como ela facilita a adaptabilidade e a empatia, favorece uma visão micro da situação. Com isso, conseguimos criar o ambiente ideal para o desenvolvimento de soluções, com foco em atingir nossos objetivos.

Como é possível executar a inteligência emocional?

Bem, e agora? Como desenvolver a inteligência emocional, para ter mais sucesso na carreira? Reunimos algumas dicas!

Desenvolva a empatia

É uma das características mais básicas para nos relacionarmos bem em qualquer lugar. No trabalho, não é diferente.

Para isso, o primeiro pensamento para ter em mente é: cada um de nós tem uma visão diferente de mundo, e não necessariamente existe a mais certa. Aceite que as outras pessoas passaram por experiências diferentes, que moldaram as próprias opiniões.

Seguindo isso, liberte-se da mania de julgar os outros. Ao perceber um pensamento nesse sentido, diga a si mesmo que cada pessoa tem o direito de sentir e agir diferente.

Use a assertividade

Dentro da psicologia, esse conceito significa saber expressar as próprias necessidades, sem ofender outras pessoas. Isso quer dizer, por exemplo, ter a habilidade de negar pedidos e dar feedbacks construtivos, sem, contudo, ofender sentimentos alheios.

A assertividade também consiste em saber ouvir as pessoas e demonstrar interesse pelo que têm a dizer. É uma prática diária, mas super possível de ser alcançada.

Invista em autoconhecimento

O autoconhecimento nos revela o motivo de agirmos de determinada maneira ou escolhermos certo comportamento. Ele nos diz, por exemplo, por que fazer um relatório nos dói tanto, a ponto de precisarmos trocá-lo por atividades que trazem alívio momentâneo, mesmo que isso coloque em risco a nossa carreira.

Há várias maneiras de obter mais autoconhecimento. Praticar meditação, iniciar um processo de psicoterapia ou separar um momento do dia para refletir em algumas questões são algumas delas.

Aprenda a planejar, mas sempre tendo um plano B

Planejamento é importante para nos tirar do lugar. É ele que nos ajuda a criar planos, objetivos e projetos, que nos ajudam a crescer.

Porém, ter um plano B também é fundamental, pois nos permite ter flexibilidade, o que é necessário, principalmente para os momentos que exigem mudanças.

Leia livros sobre o assunto

Há dezenas de livros que nos ajudam a desenvolver a inteligência emocional. Alguns abordam essa habilidade de forma ampla, como é o caso do livro do Daniel Goleman, que leva esse nome.

Outros falam sobre temas mais específicos, o que pode ser interessante caso sintamos mais dificuldade em determinada área. “Comunicação Não-Violenta”, de Marshall Rosenberg e “Agilidade Emocional”, de Susan David, são boas opções.

Não é fácil. Sabemos. No entanto, a inteligência emocional é fundamental para ter bons resultados em qualquer área da vida. No trabalho, essa habilidade se torna ainda mais especial, já que está dentro das tão aclamadas soft skills, que são cada vez mais necessárias para quaisquer cargos no ambiente corporativo.

Curtiu o conteúdo? Então, assine nossa newsletter e receba diretamente no seu e-mail mais dicas para construir uma boa carreira!

Nova chamada à ação

Originalmente publicado 17/02/2021 09:45:58, atualizado Fevereiro 17 2021

Temas:

Desenvolvimento Profissional