É o meu terceiro dia aqui na CES e hoje é a abertura do evento de 2018 para o público. A noite passada marcou o fim dos dois principais dias do evento voltados para a imprensa, que foram concluídos com uma palestra da Intel.

<< Quer gerar leads? Temos uma ferramenta gratuita para te ajudar >>

Foi interessante, para dizer o mínimo.

A palestra intitulada "How Data Is Shaping Innovation of the Future" ("Como os dados estão moldando a inovação do futuro") foi anunciada como uma análise profunda de como os dados são necessários e extremamente poderosos para continuar o crescimento e a inovação da AI.

Mas demorou um pouco para realmente chegar ao ponto alto do evento. As coisas começaram com uma apresentação do que foi chamado de uma "banda apenas de dados" chamada Algorithm & Blues, que eu só posso descrever como uma produção muito bizarra e bem financiada de guitarra imaginária e percussão. E, aparentemente, não fui só eu que tive essa impressão.

Mas depois de cerca de 20 minutos dessa bizarra apresentação, o CEO da Intel, Brian Krzanich, subiu ao palco e não perdeu tempo falando sobre Meltdown e Spectre (uma falha de segurança de 20 anos descoberta na semana passada em chips Intel), observando que 90% das atualizações necessárias para resolver o problema já foram enviadas e que o restante estará pronto até o final do mês.

E é isso.

Tentar unir os conceitos de dados e AI e trazê-los de volta ao ponto de partida é uma tarefa complicada, e a Intel pode não ter estado à altura do desafio. Dieter Bohn do The Verge pode ter colocado da melhor forma: 

" ... aquela história de converter espaço em dados e depois em experiências se perdeu um pouco. É uma coisa difícil e cerebral de tentar expressar, e a Intel não conseguiu".

Mas havia pontos a serem ligados, especialmente quando se trata das lições fundamentais para os profissionais de marketing que consegui extrair do evento da noite anterior.

Aqui estão algumas das principais conclusões a que cheguei.

1. Os dados são o que move a AI.

A inteligência artificial (AI) é, na minha humilde opinião, uma das fronteiras mais importantes e de rápido crescimento na tecnologia. O aprendizado de máquina, por exemplo. É o que nos permite, inclusive os profissionais de marketing, observar, aprender e tirar conclusões sobre comportamentos e preferências do público, graças à capacidade de uma máquina de processar os dados relacionados a esses itens com muito mais eficiência do que os humanos podem fazer sozinhos.

Fonte: Intel

E há uma boa chance de você estar trabalhando com uma enorme quantidade de dados nesse tipo de situação. Como a tecnologia viabilizada pela AI nos permite capturar e sintetizar esses dados de maneira cada vez mais contínua, somos capazes de fazer mais avanços em um espaço de tempo mais curto.

Para o profissional de marketing, esses avanços geralmente vêm na forma de criar uma experiência notável e única para o usuário.

2. Para criar uma experiência verdadeiramente imersiva para o usuário, precisamos de dados.

Quando se trata dos dados analisados por AI que podem ser utilizados para criar uma experiência imersiva para o usuário, eu gosto de mudar para o domínio da realidade virtual. É onde a Intel demonstrou os maiores casos de uso durante sua palestra, e é outra área da tecnologia emergente, mas incrivelmente importante e valiosa.

Embora tenha havido uma forte ênfase nas experiências relacionadas a eventos esportivos e atléticos na noite passada, as lições e as tecnologias mostradas têm aplicação muito mais ampla do que isso. Considere, por exemplo, o sistema multicâmera da Intel (cada qual equipado com múltiplas lentes) que captura tantas perspectivas diferentes de um evento que permite ao usuário, como diz Krzanich, "selecionar o melhor lugar da casa, toda vez".

É um tema que ecoou durante todos os Media Days da CES e me lembrou das observações feitas por Jensen Huang da NVIDIA em uma coletiva de imprensa menos de 24 horas antes:

Qual seria um nome alternativo, no entanto, para aquelas perspectivas que estão sendo capturadas para criar uma experiência tão imersiva? Acertou: dados.

Para entrar numa seara um pouco mais técnica, esse tipo de captura de dados é feito em parte por algo chamado voxels: pixels que são colocados em um espaço tridimensional, adicionando profundidade ao que está sendo gravado. E quando você usa esse tipo de tecnologia para construir um sistema multicâmera e multilente, disse Krzanich, "você está gravando tudo".

Para colocar essa enorme quantidade de informações em contexto, esse tipo de captura geralmente requer a criação de dados a uma taxa de 3 TB/minuto. Isso é o equivalente, afirmou Krzanich, a produzir todo o conteúdo da Biblioteca do Congresso no primeiro período de uma partida de futebol americano.

3. Experiências baseadas em dados permitem que os profissionais de marketing mostrem (em vez de contar).

Quando estava tuitando essa palestra ao vivo na noite passada, eu tirei sarro de mim mesma por ficar "esbravejando" um pouco sobre o que foi dito acima. Mas há um motivo, e finalmente chegamos a ele.

Os profissionais de marketing são frequentemente desafiados a divulgar um produto ou serviço de forma cativante que atinja exatamente o público certo. E, às vezes, esses produtos ou serviços são superdifíceis de descrever ou (aparentemente, pelo menos) meio chatos.

É aí que essa captura imersiva de perspectivas e dados se torna tão valiosa. Os profissionais de marketing costumam receber a incumbência de responder proativamente às perguntas. Como esse seu negócio funciona? Como ele conserta as coisas? Por que seus clientes deveriam recorrer a você?

Com um produto ou serviço difícil de descrever, responder a essas questões apenas com palavras é realmente bem complicado. Mas agora, a tecnologia VR baseada em dados abordada nessa palestra pode ser usada para mostrar às pessoas a resposta, em vez de apenas dizer a elas. 

Fonte: Intel

Agora, você pode mostrar às pessoas como o seu negócio funciona. Você pode inseri-las em uma experiência virtual que demonstra imersivamente como você resolve problemas. Como Krzanich expressou, os profissionais de marketing agora têm o poder de criar "uma perspectiva que mais ninguém pode oferecer".

Legal, né?

Como sempre, estou aberta à sua opinião sobre essas tendências. Fique à vontade para falar comigo sobre suas opiniões e dúvidas no Twitter ou me acompanhe para ver minha cobertura mais recente da CES 2018.

Fonte da imagem em destaque: Intel

ferramenta-gratuita

 ferramenta-gratuita

Originalmente publicado 09/01/2019 08:00:00, atualizado Janeiro 09 2019

Temas:

Estratégias de Marketing